Ordenar por: Andaluzia

Road Trip na Andaluzia – De Málaga a Cádis

Andaluzia é um destino perfeito para te fazeres à estrada, ou então deixares que a estrada se faça a ti, já que as rotas da região são excelentes. Ainda por cima, há um conjunto de cidades encantadoras pelo caminho que oferecem belas vistas sobre o mar e as montanhas!

Nós fomos testar uma viagem em particular através das províncias de Cádis e Málaga, esta a capital da sempre carismática região de Costa del Sol. Málaga é um lugar óbvio se quiser dar início a uma viagem pela Andaluzia, já que é fácil de chegar até lá através de avião e a partir do aeroporto alugar um carro para iniciar a aventura. Alternativamente, pode também optar por partir de Sevilha, que tem a vantagem de ser uma das cidades mais interessantes de Espanha.

Mas vamos por partes. Primeiro, vê um pequeno vídeo sobre as aldeias encantadoras da Andaluzia e absorve as belas paisagens e a cultura tradicional que te espera: 

 

Damos início à nossa viagem pela costa sul de Espanha, passamos por alguns dos mais magníficos espaços naturais e aldeias de tirar o fôlego, e depois terminamos em Jerez de la Frontera.

Málaga – a capital de Costa del Sol

Málaga tem passado por algumas transformações nos últimos anos e tornou-se numa cidade cultural de mérito próprio, com inúmeros museus – como o Centro Pompidou e o Museu Russo, as atracções mais recentes –, uma assinalável variedade de salas de teatro, cinema, e para espectáculos musicais. 

A praia fica já ao virar da esquina, e há bons acessos via autocarro ou serviços ferroviários para a maioria das cidades costeiras com o delicioso mar e areal espanhol.

Se sobrar tempo para explorar em maior profundidade a cidade de Málaga e os seus arredores, considera este guia que te permite ficar a conhecer o fundamental em 4 dias.

El Chorro – A trilha mais perigosa do mundo

A apenas 45 minutos de carro a partir de Málaga, El Chorro apresenta-se magnífica e assustadora, flanqueada por grandes lagos artificiais que lhe dão uma dimensão épica. Pode encontrar aqui boas trilhas para fazer caminhadas, mas se preferir algum descanso pode também instalar-se na pequena praia artificial junto ao lago e contemplar as vistas.

Para além disso, El Chorro é famosa por ter um dos trilhos mais perigosos do mundo, o apelidado de El Caminito del Rey. Este caminho foi recentemente alvo de obras de reabilitação, para que possas andar a pé sem teres que temer eventuais quedas, e assim estás mais à vontade para apreciares as espectaculares vistas.

Ronda – a região vitivinícola mais antiga de Espanha

Ronda é uma das aldeias mais famosas da província de Málaga. Está localizada num cume rochoso, encimando um desfiladeiro profundo, mas com vales verdes e vinhas em todo à volta. O mais famoso monumento desta área é a ponte romana, uma impressionante estrutura que atravessa o desfiladeiro de uma ponta à outra. A composição original da aldeia remonta à época dos romanos, no século IV, e tinha o nome de Acinipo. 400 anos mais tarde, os Mouros viriam a conquistar a região, tendo-a convertido sob um novo nome: Izna Rand Onda – hoje conhecida por Ronda.

Ronda é também ela uma das regiões vitivinícolas originais de Espanha, com particular destaque para Acinipo (Cidade Vinens), que foi dos raros sítios de onde o vinho cultivado era imediatamente exportado para Roma.

A proximidade com o Mediterrâneo, o clima especial e a diversidade de condições geológicas contribuem para o carácter único do vinho. Se queres assumir um negócio neste sector, então a área das vinhas de Ronda é altamente recomendável.

Grazalema – a montanha ancestral

Fazemos check in no Parque Nacional Sierra de Grazalema, na província de Cádis. Este foi o primeiro parque na Andaluzia declarado património nacional em 1984. Devido à sua particular altitude, situada perto do Atlântico, o nível de precipitação é dos mais altos na Andaluzia. Mas a Primavera e o Verão são as estações ideais para visitas a seco.

A pequena e branca montanha de Grazalema é uma verdadeira Meca para os caminhantes e alpinistas. Não precisa sequer de a visitar apenas sob o signo das férias, já que este pode assumir-se como um importante retiro para viver um pouco à maneira tradicional espanhola. Se visitares a região, não percas portanto o queijo local Payayo – um queijo de cabra com notas doces – e dá um salto à fábrica de lã onde se produz ponchos, cachecóis e cobertores.

Zahara de la Sierra – as vistas mais espectaculares

Zahara de la Sierra fica no extremo norte da Serra de Grazalema, por cima do lago articial Embalse de Zahara-El-Gastor. O nome Zahara tem sido interpretado como uma versão do árabe original ordAzahar, que significa “flor de laranjeira”. Mas provavelmente, a cidade homenageia apenas a sua localização – Zahara em árabe quer também dizer “rocha gigante”.

Foi certamente uma região estratégica durante os anos de batalhas entre Mouros e Cristãos, sendo que estes últimos foram quem acabaram por dominar a cidade. Durante imenso tempo, foi um sítio habituado principalmente por soldados. Ainda são visíveis ruínas do castelo, que os mouros construíram no ano de 1200, mas antes de lá chegar há que percorrer um caminho íngreme, que pode ser cansativo mas também oferece magníficas vistas sobre os vales em redor.

O centro de Zahara integra a lista do Património Mundial da Unesco desde 1977. É absolutamente pitoresco, embora a maior parte cidade estivesse adormecida quando a visitamos numa manhã de domingo. Não havia um som sequer, excepto talvez a televisão acesa numa associação onde passam alguns agricultores para o primeiro café do dia.

Arcos de la Frontera – a adorável aldeia branca

Arcos é ainda hoje uma das mais belas aldeias da Andaluzia. Foi considerada de “monumento histórico-artístico” em 1962 e goza do privilégio, tal como Zahara, de possuir as paisagens mais vastas e naturalmente ricas.

As ruas estreitas e sinuosas oferecem testemunho da influência mourisca na área, a qual se faz também sentir na cidade de la Frontera, um nome que se refere à linha da frente das batalhas entre Mouros e Cristãos. Visitas à região tipicamente incluem uma passagem por Callejón de las Monjas, pela Plaza de Cabildo, e pelo Mirador de la Peña Nueva.

Jerez de la Frontera - cavalos e xerez

Jerez é conhecido principalmente por duas coisas: os seus cavalos e o xerez. Os primeiros são possíveis de encontrar na Real Escola Equestre, ou na Real Escuela Andaluza del Arte Ecuestre. Aqui podem-se ver algumas das performances mais impressionantes de “dressage”, muitas vezes combinadas com um toque de flamenco, o que deu aos cavalos de Jerez o apelido de "os cavalos dançarinos".

Em 2014, Jerez foi nomeada a melhor cidade do vinho europeu, uma distinção que é totalmente merecida. Em parte porque vem daí o mundialmente famoso xerez (esta designação teve origem na declaração britânica de 'Jerez'”. É possível reservar uma visita guiada com degustação de xerez em qualquer dos muitos armazéns de vinho, boutiques, ou numa das tabernas da cidade. Visite ainda os bares que servem xerez diretamente do barril, e onde se consegue comprar uma garrafa de casa com xerez acabado de extrair.

Mapas e indicações

Partilhar artigo

Comentários